sábado, 22 de dezembro de 2012

50º Aniversário

Em 20/04/1939 Adolf Hitler completava seu 50º aniversário. Em Berlim preparou-se uma suntuosa comemoração, coroada com uma grande parada militar na qual a Alemanha Nazista demostrou para o mundo todo o seu poderio bélico.
O chanceler alemão estava no poder há mais de seis anos e durante este período conseguiu resgatar o orgulho da nação, destruído pelas consequências da derrota na 1ª Grande Guerra, transformando-a numa poderosa potência européia, capaz de rivalizar com seus antigos inimigos. A seguir listarei os principais atos ocorridos até aquela data que transformaram o país e fizeram com que o povo acreditasse nas palavras do seu mandatário:
28/02/33 - Incêndio do Reichstag - valendo-se deste sinistro misterioso, os líderes nazistas baniram definitivamente os comunistas da vida política do país. Vide mais detalhes aqui;
30/06/34 - Noite da Longas Facas - matança orquestrada pelas tropas SS com o intuito de expugnar a liderança das SA e também afastar perigosos inimigos do poder;
02/08/34 - Morte do Marechal Hindenburg (vide bio aqui) - com a morte do alquebrado marechal, herói da 1ª Grande Guerra e presidente do país, Hitler aboliu este cargo e assumiu poderes ditatoriais, exigindo o tratamento de Führer da Grande Alemanha;
15/03/35 - Hitler, na prática, "rasga" o Tratado de Versalhes e institui o programa de alistamento militar obrigatório além de criar abertamente a Luftwaffe, antes no anonimato;
07/03/36 - o ditador alemão determina a ocupação militar da região da Renânia a fim de restaurar a soberania da fronteira ocidental perdida após o fim da 1ª Grande Guerra. França e Grã-Bretanha nada fizeram, seguindo a política de apaziguamento;
13/03/38 - a Alemanha promove o Anschluss - a anexação da Áustria ao 3º Reich. Após cinco anos de tentativas de golpe, infiltrando elementos nazistas no governo daquele país, que culminaram com o assassinato de seu chanceler (Engelbert Dollfuss), finalmente o ditador alemão negocia um estranho acordo de trégua com o chanceler substituto (Kurt Schuschnigg) que, em síntese, sente-se ameaçado e entrega sua nação ao Reich alemão;
01/10/38 - anexação dos Sudetos Tchecos - região da fronteira ocidental tcheca com a Alemanha cuja maioria do povo era de origem germânica. Após anos de crise diplomática onde a Alemanha reivindicava a permissão da ideologia nazista naquela região, enfim o nefasto Acordo de Munique (30/09/38) foi assinado no qual as potencias ocidentais, Itália e Rússia ficaram observando a Alemanha desmembrar o país e riscá-lo do mapa;
15/03/39 - ato contínuo à anexação dos Sudetos, Hitler invade os territórios tchecos da Boêmia & Morávia sem resistência.
Como podemos observar a Alemanha vinha, aos poucos, aumentando seu território, distribuindo em troca "pactos de não-agressão". Este era o panorama doméstico e internacional enquanto ocorria a cerimônia do 50º aniversário do tirano nazista. A guerra ainda não havia estourado, mas aos olhos de muitos observadores internacionais era questão de tempo. Durante a grandiosa parada em Berlim era possível notar a presença de diversos convidados, políticos e militares de outras nações do mundo. Diante do palanque montado desfilou a nata das Wehrmacht em seus impecáveis uniformes - tanques de última geração (panzers), tropas paraquedistas, divisões de infantaria motorizada, cavalaria, engenharia, comunicações, artilharia pesada, tropas de elite das SS; nos céus da embelezada capital enormes formações de caças e bombardeiros modernos.
Por que estes senhores, ao retornarem para seus países, não se prepararam para algo pior? Em cinco meses a Europa estaria entrando no pior conflito armado jamais visto ...



sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Como você deseja passar seu Natal?


Natal é tempo de pensar no que somos e no que contribuimos para a sociedade...
Não foi lindo este Natal? Companheirismo, solidariedade, compaixão, amor, fé, esperança...


 



 

 
O que dizer deste Natal? Pense bem nisso...
 
 
  
 

 

 


segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

MÖLDERS, Werner (*18/03/1913†22/11/1941)

Werner Mölders nasceu na cidade de Gelserkirchen, estado da Westfalia, em mar./1913. Aos 18 anos alistou-se no Exército como Soldado, porém em fev./1934 transferiu-se para a nascente força aérea do 3º Reich como Subtenente. Em abr./1936, já como 1º Tenente, serviu como instrutor de voo de caça. No decorrer do ano de 1938 serviu como voluntário da "Legião Condor", um grupamento de homens da Luftwaffe que lutou ao lado dos nacionalistas na Guerra Civil Espanhola. Na ocasião, Mölders destacou-se com brilhantismo e foi condecorado com a cobiçada Cruz Espanhola com Espadas em Ouro e Diamantes por ter abatido nada menos de 14 aeronaves inimigas, um recorde inigualável. Em mar./1939, "Vati" como era mais intimamente conhecido, assumiu o comando da 1ª Esquadrilha da 53ª Ala de Caças Pik As (1./JG 53) e lutou os primeiros combates aéreos nos céus da Polônia. Ao terminar a ofensiva foi designado comandante do 3º grupo da mesma 53ª Ala de Caças (III./JG 53) e teve desempenho vitorioso na invasão da França e Países Baixos onde foi condecorado com a Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro.
Em jun./1940 o capitão Mölders foi abatido e capturado pelos franceses passando dezessete dias preso até a capitulação da França em 22/06/1940. Na sequência foi promovido à Major e designado comandante (Comodoro) da 51ª Ala de Caças (JG 51) onde participou da Batalha da Inglaterra e da invasão da Rússia. Por seu desempenho acima do dever foi agraciado seguidamente com as Folhas de Carvalho, com as Espadas e com os Diamantes de sua Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro. Seu número de abates, na época, era algo inimaginável - 115! superando, inclusive, o recorde do lendário Barão Vermelho durante a 1ª Grande Guerra. Em ago./1941 Mölders foi indicado comandante geral de caças da Luftwaffe, posição que ocupou por apenas três meses. Em nov./1941, durante o funeral do Coronel-general Udet (vide bio aqui), o jovem ás de caça do 3º Reich, já feito Coronel por merecimento, faleceu em acidente aéreo, deixando o país consternado com sua perda. Em sua homenagem a 51ª Ala de Caças passou a incorporar seu nome - JG 51 Mölders.
Promoções:
01/10/31 Soldado (Exército)
01/04/32 Sargento Jr.
01/06/33 Aspirante
01/02/34 Subtenente (Força Aérea)
01/03/34 2º Tenente (Força Aérea)
01/07/35 2º Tenente (Luftwaffe)
20/04/36 1º Tenente
18/10/38 Capitão
19/07/40 Major
25/10/40 Tenente-coronel
15/07/41 Coronel
Principais condecorações:
06/06/39 Cruz Espanhola com Espadas em Ouro e Diamantes
17/09/39 Cruz de Ferro 1939 2ª Classe
03/04/40 Cruz de Ferro 1939 1ª Classe
28/05/40 Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro
??/08/40 Brevê de Piloto / Observador em Ouro e Diamantes
21/09/40 Cruz de Cavaleiro com Folhas de Carvalho (2º)
22/06/41 Cruz de Cavaleiro com Folhas de Carvalho e Espadas (2º)
15/07/41 Cruz de Cavaleiro com Folhas de Carvalho, Espadas e Diamantes (1º)
Principais comandos:
24/05/38 - 04/12/38 Cmte. de Esquadrilha (Capitão) do 3.J/ 88 "Legião Condor"
05/12/38 - 14/03/39 RLM (Inspetor de caças)
15/03/39 - 31/10/39 Cmte. de Esquadrilha (Capitão) do 1./JG 53 Pik As
01/11/39 - 04/06/40 Cmte. de Grupo do III./JG 53 Pik As
23/07/40 - 19/07/41 Cmte. de Ala (Comodoro) do JG 51
07/08/41 - 22/11/41 Cmte. Geral de Caças
Resumo pessoal:
. Número de abates: 115 (14 na Espanha)
. Número de missões: ~ 400
. Aviões: Me Bf 109B/C/D/E/F
. Histórico de abates:
15/07/38 - 1º
23/08/38 - 5º
15/10/38 - 10º/11º
03/11/38 - 14º
20/09/39 - 15º 
26/03/40 - 20º
15/05/40 - 25º
21/05/40 - 28º/30º
31/05/40 - 35º
28/07/40 - 40º
31/08/40 - 44º/46º
11/09/40 - 50º
27/09/40 - 55º
12/10/40 - 58º/60º
22/10/40 - 63º/65º
10/02/41 - 70º
12/03/41 - 75º
04/05/41 - 80º
22/06/41 - 83º/87º (5!)
29/06/41 - 90º/91º
30/06/41 - 92º/96º (5!)
05/07/41 - 97º/100º
10/07/41 - 104º/105º
13/07/41 - 109º/110º
15/07/41 - 114º/115º







domingo, 16 de dezembro de 2012

GALLAND, Adolf (*19/03/1912†09/02/1996)

Adolf Galland nasceu em Westerhold, estado da Westfalia, em mar./1912. Pouco antes de completar 22 anos ingressou no Exército, entretanto em mar./1935 transferiu-se para a nova arma aérea do 3º Reich, a Luftwaffe. Ainda naquele mês foi comissionado oficial (2º Tenente), todavia sua carreira quase chegou ao fim devido a um acidente aéreo que o deixou com sequelas visuais. Durante a Guerra Civil Espanhola (jul./1936-abr./1939), Galland participou voluntariamente da "Legião Condor", o contingente das Wehrmacht que auxiliou os nacionalistas do Generalíssimo Franco. Na ocasião foi comandante de esquadrilha de caças tendo se destacado a ponto de ser condecorado com a Cruz Espanhola com Espadas em Ouro e Diamantes, a maior honraria alemã daquele conflito. Em set./1939, quando a 2ª Guerra Mundial teve início, Galland estava a frente de outra esquadrilha de caças tendo participado dos primeiros combates contra os poloneses à bordo do biplano Hs-123 em apoio às tropas terrestres do Exército. Todavia, foi na invasão do oeste (França e Países Baixos), em mai./1940, que o grande ás experimentou o sabor de sua primeira vitória em combate aéreo. Por alcançar rapidamente 7 abates foi condecorado, ainda naquele mês, com a Cruz de Ferro 1ª Classe e, na sequência, assumiu o comando do 3º Grupo da 26ª Ala de Caças Schlageter (III./JG 26). No comando desta unidade Galland iniciaria, de fato, sua grande arrancada como piloto de sucesso. Em jul./1940 foi promovido por merecimento à Major e agraciado com a Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro por contabilizar 17 abates. No mês seguinte foi indicado comandante (comodoro) da mesma 26ª Ala de Caças (JG 26) onde participou, efetivamente, da Batalha da Inglaterra destacando-se o suficiente para receber a rara Folhas de Carvalho de sua Cruz de Cavaleiro e ser promovido à Tenente-coronel. Em jun./1941 foi ferido em combate e hospitalizado, onde na ocasião foi merecedor das Espadas de sua Cruz de Cavaleiro com Folhas de Carvalho por ter abatido até aquele momento nada menos que 70 aeronaves inimigas. Após sua recuperação, Galland retornou ao front russo tendo alcançado sua 90ª vitória aérea em out./1941. Em dezembro, após sua promoção à Coronel, foi designado comandante geral de caças da Luftwaffe, substituindo o falecido precocemente Werner Mölders, posição que ocupou até quase o fim da guerra. Nesta nova função ele tentaria aumentar a quantidade e o poderio da força de caças como forma de enfrentar a ofensiva de bombardeiros aliados. Em mai./1942 Galland testou pela primeira vez o revolucionário caça-jato Messerschmitt Me-262. Em novembro do mesmo ano alcançou o generalato com apenas 30 anos de idade, contudo os desentendimentos com o Alto Comando da Luftwaffe (OKL) iam aos poucos minando sua posição. Em jan./1945 após um confronto aberto com o Marechal Göring (vide detalhes do caso aqui) e, com a situação das Wehrmacht já bastante debilitada, o grande ás, já no posto de Tenente-general, assumiu o comando da 44ª Ala de Caças (JV 44) composta por caças-jato com a dura atribuição de defender o Reich dos enormes bombardeamentos aéreos impostos pelos anglo-americanos. Em abr./1945 Galland alcançou a marca espetacular dos 100 abates, entretanto no final daquele mês foi abatido e ferido, ficando hospitalizado até o final do conflito na Europa. "Dolfo" como era carinhosamente apelidado por seus camaradas foi feito prisioneiro dos aliados e permaneceu em cativeiro por mais de dois anos. Durante o curso da 2ª Guerra Galland voou mais de 700 missões de combate e derrubou 104 aeronaves do inimigo, 7 das quais no caça-jato Me-262. Após sua libertação ele emigrou para a Argentina onde atuou como consultor no Ministério da Aeronáutica juntamente com outros brilhantes ases da Alemanha. Galland retornou à sua terra natal em 1955 tornando-se um empresário de sucesso no ramo aeronáutico. Em fev./1996 Galland faleceu de causas naturais, pouco tempo antes de completar 84 anos de idade.
Promoções:
01/05/34 Sargento Jr. (Exército)
01/09/34 Aspirante
12/03/35 2º Tenente (Luftwaffe)
01/08/37 1º Tenente
01/10/39 Capitão
18/07/40 Major
01/11/40 Tenente-coronel
04/12/41 Coronel
19/11/42 Major-general
01/11/44 Tenente-general


Principais condecorações:
06/06/39 Cruz Espanhola com Espadas em Ouro e Diamantes
15/09/39 Cruz de Ferro 1939 2ª Classe
22/05/40 Cruz de Ferro 1939 1ª Classe
29/07/40 Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro
20/08/40 Brevê de Piloto / Observador em Ouro e Diamantes
24/09/40 Cruz de Cavaleiro com Folhas de Carvalho (3º)
21/06/41 Cruz de Cavaleiro com Folhas de Carvalho e Espadas (1º)
28/01/42 Cruz de Cavaleiro com Folhas de Carvalho, Espadas e Diamantes (2º)
? Broche Operacional de Voo em Ouro "400"



Principais comandos:
27/07/37 - 23/05/38 Cmte. de Esquadrilha (Capitão) do 3.J/ 88 "Legião Condor"
01/11/38 - 31/07/39 Cmte. de Esquadrilha (Capitão) do 1./JG 433, depois 1./JG 52
01/08/39 - 14/02/40 Cmte. de Esquadrilha (Capitão) do 5.(S)/LG 2
06/06/40 - 20/08/40 Cmte. de Grupo do III./JG 26 Schlageter
21/08/40 - 05/12/41 Cmte. de Ala (Comodoro) do JG 26 Schlageter
05/12/41 - 10/01/45 Cmte. Geral de Caças
15/06/43 - 30/07/43 Líder de Caças na Sicília (Jafü)
10/01/45 - 26/04/45 Cmte. de Ala (Comodoro) do JV 44
Resumo pessoal:
. Número de abates: 104 (7 no caça-jato Me 262A)
. Número de missões: 705 (280 na Espanha)
. Aviões: He 51C, Hs 123, Me Bf 109E/F, Fw 190A, Me 262A
. Histórico de abates:
12/05/40 - 1º/3º
19/05/40 - 5º/6º
02/06/40 - 10º
24/07/40 - 15º
15/08/40 - 20º/22º
31/08/40 - 25º/27º
06/09/40 - 30º
18/09/40 - 34º/36º
24/09/40 - 39º/40º
11/10/40 - 44º/45º
30/10/40 - 48º/50º
17/11/40 - 54º/56º
15/04/41 - 60º/61º
17/06/41 - 65º/66º
02/07/41 - 70º
07/08/41 - 74º/75º
19/08/41 - 79º/81º
20/09/41 - 84º/85º
21/10/41 - 90º/92º
08/11/41 - 94º/95º
16/04/45 - 100º/101º
26/04/45 - 103º/104º




terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Prisioneiros de Stalingrado


A batalha pela cidade de Stalingrado no inverno de 1942/43 foi mais que uma derrota para a Alemanha nazista, foi o ponto de inflexão de toda uma guerra no front leste. Além das perdas humanas e materiais, representou psicologicamente o fim da supremacia das Wehrmacht. O mito que o soldado alemão representava como indestrutível acabara de vez. A teimosia do ditador germânico em tomar a cidade a qualquer custo cobrava-lhe, desta vez, um alto tributo que nunca mais seria esquecido pelo Alto Comando e entraria para a história militar moderna como a maior derrota em campo de batalha.
Todavia a história também erra ao transmitir às gerações futuras que se tratou apenas de uma derrota alemã, esquecendo-se de enaltecer o enorme espírito de patriotismo do soldado soviético. Foi este sim o grande vencedor de Stalingrado. Comandado por generais capacitados e persistentes, conteve o 6º Exército dentro da cidade quase que totalmente destruída e o cercou de forma esmagadora. Impediu ações de rompimento do cerco por terra e aniquilou as tentativas de suporte aéreo. Foi uma vitória inconteste.
Para se ter uma idéia melhor da grandiosidade do feito russo, na ocasião, vamos pôr as cartas na mesa:

Ordem de batalha:
6º Exército: MC Friedrich Paulus (vide bio mais detalhada aqui) (1)
                    Chefe de E-M: TG Arthur Schmidt (1)

* 4º Corpo de Exército: CG Erwin Jaenecke (3) (vide bio aqui) / Gen. Art. Max Pfeffer (1)
** 29ª Divisão de Infantaria Motorizada: TG Max Fremerey / GM Hans-Georg Leyser (1)
** 297ª Divisão de Infantaria: Gen. Art. Max Pfeffer / GM Moritz von Drebber (1)
** 371ª Divisão de Infantaria: TG Richard Stempel (4)
** 20ª Divisão de Infantaria (Romênia): Gen. Div. Nicolae Tatranu (3) / Gen. Div. Romulus Dimitrescu (1)
* 8º Corpo de Exército: CG Walter Heitz (1) (vide bio aqui)
** 76ª Divisão de Infantaria: TG Carl Rodenburg (1)
** 113ª Divisão de Infantaria: TG Hans-Heinrich Sixt von Armin (1)
** 9ª Divisão de Artilharia Antiaérea (Luftwaffe): MG Wolfgang Pickert (3) / Cor. Wilhelm Wolff (1)
* 11º Corpo de Exército: Gen. Inf. Karl Strecker (1)
** 44ª Divisão de Infantaria: TG Heinrich Anton Deboi (1)
** 376ª Divisão de Infantaria: TG Alexander Edler von Daniels (1)
** 384ª Divisão de Infantaria: TG Eccard von Gablenz (3)
* 14º Corpo Panzer: Gen. Inf. Gustav Wietersheim / CG Hans Hube (3) (vide bio aqui) / TG Helmuth Schlömer (1)
** 3ª Divisão de Infantaria Motorizada: TG Helmuth Schlömer / Cor. Jobst von Hansteim (1)
** 60ª Divisão de Infantaria Motorizada: TG Otto Kohlermann / MG Hans-Adolf von Arenstorff (1)
** 16ª Divisão Panzer: CG Hans Hube / TG Günther Angern (4)
* 51º Corpo de Exército: Gen. Art. Walter von Seydlittz-Kurzbach (1)
** 71ª Divisão de Infantaria: TG Alexander von Hartmann (2) / MG Fritz Roske (1)
** 79ª Divisão de Infantaria: Gen. Panzer Richard von Schwerin (3)
** 94ª Divisão de Infantaria: TG Georg Pfeiffer (3)
** 100ª Divisão Jäger: TG Werner Sanne (1)
** 295ª Divisão de Infantaria: Gen. Art. Rolf Wuthmann / MG Otto Korfes (1)
** 305ª Divisão de Infantaria: TG Kurt Oppenländer / TG Bernhard Steinmetz (3) / Cor. Albrecht Czimatis (1)
** 389ª Divisão de Infantaria: MG Erich Magnus (1) / MG Martin Lattmann (1)
** 14ª Divisão Panzer: TG Johannes Baessler / MG Martin Lattmann / Cor. Günther Ludwig (1)
** 24ª Divisão Panzer: TG Bruno von Hauenschild / TG Arno von Lenski (1)

Os aliados romenos do Eixo ainda auxiliaram com a 1ª Divisão de Cavalaria - Gen. Brig. Constantin Bratescu (1) e os croatas enviaram o 369º Regimento de Infantaria de Reserva - Cor. Viktor Pavicic / TC Marko Mesic - ligado à 100ª Divisão Jäger.
Este enorme efetivo ainda era apoiado pela 3ª Ala de Caças (JG 3 Udet) - TC Wolf-Dietrich Wilcke, doze batalhões de engenharia, dois batalhões de assalto, dois regimentos de morteiro, um regimento de comunicações e um regimento de defesa aérea.
Estima-se que cerca de um milhão de soldados do Eixo estiveram envolvidos diretamente na batalha, sendo 400 mil alemães, 235 mil italianos, 200 mil romenos, 200 mil húngaros e 5 mil croatas. Deste total 750 mil foram mortos ou feridos. Além disto em torno de 91 mil homens caíram prisioneiros dos soviéticos dos quais 29 generais! Outros 3 generais morreram em combate, 2 suicidaram-se e 7 conseguiram escapar do cerco poucos dias antes da derrota final. Daqueles que foram para o cativeiro apenas 5.500 voltaram para a Alemanha mais de dez anos depois. Um desastre sem precedentes na história militar alemã.
Legenda:
(1) rendeu-se entre 25/01 e 02/02/43
(2) morto em combate
(3) escapou por avião
(4) suicidou-se


segunda-feira, 26 de novembro de 2012

LANCELLE, Otto Quirin (*27/03/1885†03/07/1941)




 O primeiro general a tombar na Rússia

Otto Lancelle nasceu em mar./1885 em Xanten, cidade da região do rio Reno. Aos vinte anos ingressou na Marinha Imperial, entretanto pouco tempo depois foi transferido para o Exército onde participou da 1ª Grande Guerra como Capitão e foi condecorado por bravura em combate com uma das maiores honrarias da época - a Pour le Mérite (vide detalhes aqui). Em mar./1920 foi afastado do Exército conforme os ditames do Tratado de Versalhes e quatro anos mais tarde filiou-se ao Partido Nazista. Ingressou nas Tropas de Assalto do partido, as SA, em nov./1931 e, em out./1935 Lancelle foi reativado no Exército no posto de Major. Foi promovido à Coronel em jan./1939 e na mobilização do Exército, em agosto do mesmo ano, foi indicado comandante militar de Frankfurt. Após a queda da Polônia foi designado comandante do 168º Regimento de Artilharia onde permaneceu por um ano. Na sequência passou a ocupar o comando de Artilharia 138 (Arko 138) e em fev./1941 foi promovido à Major-general. Em maio assumiu a liderança da 121ª Divisão de Infantaria no deflagrar da Operação Barbarossa, a invasão da Rússia. Lancelle foi morto por atirador de elite soviético no mês seguinte e passou à história como o primeiro general a morrer em combate no front leste além de ser também o primeiro oficial de alta patente a ser atingido mortalmente por sniper. Após sua morte foi promovido à Tenente-general e agraciado com a Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro.
Promoções:
01/04/05 Cadete-do-mar
11/12/05 Cadete (Exército)
18/04/06 Aspirante
27/01/07 2º Tenente
08/07/14 1º Tenente
03/04/15 Capitão
31/03/20 Major
03/11/31 Coronel-SA
01/02/32 Coronel-senior-SA
20/04/36 Tenente-coronel
01/01/39 Coronel
01/02/41 Major-general
21/07/41 Tenente-general (póstuma)

Principais condecorações:
??/??/14 Cruz de Ferro 1914 2ª Classe
??/??/15 Cruz de Ferro 1914 1ª Classe
09/10/18 Pour le Mérite
27/09/39 Cruz de Ferro 1939 2ª Classe (broche)
07/10/39 Cruz de Ferro 1939 1ª Classe (broche)
27/07/41 Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro (póstuma)
Principais comandos:
01/04/38 - 09/11/38 Cmte. 43º Regimento de Artilharia
10/11/38 - 30/06/39 Cmte. 115º Regimento de Artilharia
26/08/39 - 24/10/39 Cmte. Militar em Frankfurt
25/10/39 - 25/11/40 Cmte. 168º Regimento de Artilharia
25/11/40 - 05/05/41 Cmte. de Artilharia 138 (Arko 138)
06/05/41 - 03/07/41 Cmte. 121ª Divisão de Infantaria


domingo, 25 de novembro de 2012

FRETTER-PICO, Otto (*02/02/1893+30/07/1966)


Um general alemão cai prisioneiro dos brasileiros
Otto Fretter-Pico nasceu em fev./1893 na cidade de Karlshure, estado de Baden-Württemberg. Poucos dias antes de iniciar a 1ª Grande Guerra voluntariou-se para o Exército onde participou daquele conflito mundial e destacou-se a ponto de ser condecorado com as duas classes da Cruz de Ferro 1914. No cessar-fogo o então 1º Tenente Fretter-Pico permaneceu engajado nas fileiras do Exército muito embora as restrições do Tratado de Versalhes tivessem imposto uma redução drástica no contingente total da tropa. Em out./1937 foi promovido à Tenente-coronel e um ano mais tarde assumiu o comando do 7º Batalhão de Reconhecimento onde participou dos estágios iniciais da 2ª Guerra Mundial. Na sequência foi colocado na liderança do 297º Regimento de Artilharia onde permaneceu por mais de dois anos e atuou na invasão do oeste (França e Países Baixos) e, mais tarde, na ofensiva contra a Rússia. Em mar./1942 o Coronel Fretter-Pico foi indicado comandante de Artilharia 102 (Arko 102) ainda em território soviético. Em fev./1943, pouco antes de sua promoção à Major-general, aceitou o comando da 57ª Divisão de Infantaria ainda no front leste. Em setembro do mesmo ano Freter-Pico foi transferido para o teatro da Itália que acabara de capitular diante dos aliados sendo ali colocado na liderança da 148º Divisão de Infantaria. Em dez./1944 o então Tenente-general Fretter-Pico foi finalmente condecorado com a Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro pelo seu brilhante desempenho diante dos seus comandados na defesa do território. No final de abril de 1945 as tropas germânicas em terras italianas renderam-se aos aliados e o valoroso general foi feito prisioneiro das tropas brasileiras da Força Expedicionária (FEB) que compunha o 5º Exército norte-americano do general Mark Clark. Fretter-Pico passou mais de três anos em cativeiro e faleceu de causas naturais na Suiça em jul./1966, aos 73 anos.
Promoções:
18/10/14 Sargento Jr.
29/11/14 Aspirante
27/01/15 2º Tenente
18/10/18 1º Tenente
01/02/28 Capitão-de-cavalaria
01/01/35 Major
01/10/37 Tenente-coronel
01/09/40 Coronel
01/03/43 Major-general
20/10/44 Tenente-general
Principais condecorações:
? Cruz de Ferro 1914 2ª Classe
? Cruz de Ferro 1914 1ª Classe
? Cruz de Ferro 1939 2ª Classe (broche)
? Cruz de Ferro 1939 1ª Classe (broche)
11/12/41 Cruz Germânica em ouro
12/12/44 Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro
Principais comandos:
10/11/38 - 05/02/40 Cmte. 7º Batalhão de Reconhecimento
06/02/40 - 06/03/42 Cmte. 297º Regimento de Artilharia
07/03/42 - 18/12/42 Cmte. de Artilharia 102 (Arko 102)
20/02/43 - 01/09/43 Cmte. 57ª Divisão de Infantaria
25/09/43 - 20/03/44 Cmte. 148ª Divisão de Reserva
18/09/44 - 28/04/45 Cmte. 148ª Divisão de Infantaria

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

TOLSDORFF, Theodor (*03/11/1909†25/05/1978)


Um exemplar soldado de infantaria

Theodor Tolsdorff nasceu no estado da Prússia Oriental em nov./1909. Aos 25 anos incompletos ingressou no Exército como Soldado. Em mar./1939, já como 1º Tenente, assumiu o comando da 14ª Cia. do 22º Regimento de Infantaria onde experimentou o batismo de fogo na campanha contra a Polônia, em setembro daquele ano e posteriormente na Rússia. Pelo seu excelente desempenho à frente de seus comandados foi condecorado com as duas classes da Cruz de Ferro 1939 e dois anos depois com a cobiçada Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro. Tolsdorff foi promovido à Capitão em jan./1942 e colocado no comando do 1º batalhão do mesmo regimento de infantaria que vinha servindo, ainda no front leste. Um ano mais tarde foi promovido por merecimento à Major e em set./1943 recebeu das mãos de Hitler a incomum Folhas de Carvalho de sua Cruz de Cavaleiro. Dois meses após foi designado comandante daquele regimento, já rebatizado Grenadier. Em mar./1944 Tolsdorff foi transferido para a região dos países bálticos onde assumiu a liderança do 1.067º Regimento Grenadier. Nesta unidade ele foi promovido novamente por merecimento a Coronel e condecorado com as Espadas de sua Cruz de Cavaleiro por seu brilhantismo em combate. Em set./1944 o excelente militar foi chamado para comandar a 340ª Divisão Volksgrenadier, ainda como Coronel. Neste comando ele atuou com destacado conceito na batalha das Ardenas e na defesa do rio Reno e, por conta disso, foi promovido à Tenente-general, com apenas 35 anos de idade, e condecorado com a raríssima Cruz de Cavaleiro com Folhas de Carvalho, Espadas e Diamantes, sendo apenas o 25º soldado das Wehrmacht a receber tal honraria. Nos dois últimos meses do conflito mundial Tolsdorff ainda seria colocado à frente do 82º Corpo de Exército na defesa do território do Reich, entretanto a situação das forças alemãs era desalentadora. Tolsdorff, apelidado "Leão de Wilna" é considerado o militar de infantaria alemão mais condecorado na 2ª Guerra. No final das hostilidades caiu prisioneiro dos aliados  e passou dois anos em cativeiro norte-americano. Em mai./1978 Tolsdorff faleceu de causas naturais aos 68 anos.
Promoções:
01/10/34 Soldado
01/10/35 Sargento Jr.
01/06/36 1º Sargento
01/06/36 2º Tenente
01/10/38 1º Tenente
01/01/42 Capitão
01/01/43 Major
01/04/44 Tenente-coronel
01/08/44 Coronel
30/01/45 Major-general
16/03/45 Tenente-general

Principais condecorações:
22/09/39 Cruz de Ferro 1939 2ª Classe
23/10/39 Cruz de Ferro 1939 1ª Classe
04/12/41 Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro
23/08/42 Cruz Germânica em ouro
15/09/43 Cruz de Cavaleiro com Folhas de Carvalho (302º)
18/07/44 Cruz de Cavaleiro com Folhas de Carvalho e Espadas (80º)
18/03/45 Cruz de Cavaleiro com Folhas de Carvalho, Espadas e Diamantes (25º)
Principais comandos:
01/03/39 - 31/12/41 Cmte. 14ª Cia. do 22º Regimento de Infantaria
01/01/42 - 31/10/43 Cmte. 1º Batalhão do 22º Regimento Grenadier
01/11/43 - 29/02/44 Cmte. 22º Regimento Grenadier
01/03/44 - 06/08/44 Cmte. 1.067º Regimento Grenadier
01/09/44 - 01/04/45 Cmte. 340ª Divisão Volksgrenadier
01/04/45 - 15/04/45 Cmte. 82º Corpo de Exército
20/04/45 - 08/05/45 Cmte. 82º Corpo de Exército



segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Armas Secretas

A superioridade tecnológica alemã no campo dos equipamentos bélicos, antes do início da 2ª Guerra Mundial, proporcionou ao 3º Reich a criação de inúmeras aeronaves e armas inovadoras conhecidas internamente pela propaganda nazista como "Armas Maravilhosas". Ao eclodir a guerra, em set./1939, Hitler decidiu pela produção em massa de armas convencionais, destinando poucos recursos para a continuidade das pesquisas em tecnologias mais avançadas, entretanto com o desenrolar dos acontecimentos ao longo do tempo e, principalmente, pelos superbombardeamentos aliados nas cidades e fábricas da Alemanha, o ditador mudou de idéia e passou a acreditar que o investimento em aeronaves, foguetes e mísseis produzidos com alta tecnologia poderia mudar o curso da guerra. Impressionantes resultados foram obtidos, contudo entraram em operação tarde demais, em pequeno número e não impediram a derrota. Muito embora se possa listar mais de uma centena destas "armas maravilhosas", ficaremos aqui apenas com as mais conhecidas.
Aeronaves

 
Messerschmitt 262 - o 1º caça à jato a entrar em combate no mundo. Excelente interceptador de bombardeiros. Sua velocidade atingia 870 Km/h, mais rápido que o melhor caça aliado em velocidade, o P-51 Mustang, que voava à 700 km/h e escoltava a grandes formações de bombardeiros anglo-americanos. Em torno de 1.400 destes aviões foram produzidos, embora apenas 100 tenham entrado em combate, entre março e mai./1945, simplesmente por falta de combustível. Mesmo assim alguns pilotos ganharam grande notoriedade pelo número de abates alcançado.
 


Arado 234 - o 1º bombardeiro à jato do mundo. Desenvolvido com alta tecnologia automática. Dispunha de assento ejetável, paraquedas de frenagem e piloto automático. Pouquíssimas unidades entraram em operação e não influenciaram em nada o desenrolar das batalhas aéreas.

 


Messerschmitt 163 - o 1º caça movido à foguete. Incrivelmente rápido (960 Km/h), ágil e pequeno. Embora sua autonomia de vôo fosse de apenas 8 minutos, alcançava rapidamente as formações de bombardeiros a grandes altitudes e conseguia abatê-los de forma fácil devido a seus canhões de poderoso calibre. Era necessário que o piloto fosse altamente experimentado para realizar uma missão de sucesso. Ao terminar o combustível retornava ao aeródromo em vôo planado, momento no qual expunha sua fragilidade. Aterrizava de barriga pois suas rodas ao decolar eram descartadas. Ao todo apenas 364 aviões deste tipo foram construídos e não obtiveram resultado algum que modificasse o panorama da guerra aérea. Com o armistício alguns aparelhos foram levados secretamente para os Estados Unidos e seu projeto copiado em uma aeronave (X-1) que ultrapassaria a barreira do som, em out./1947.
 

Heinkel 162 - Caça-jato apelidado de "caça popular" devido às características de seu projeto que exigiam baixo custo e facilidade de produção em massa por operários com pouca qualificação. O vôo inaugural de teste foi em dez./1944 apenas 90 dias após as propostas terem sido lançadas em concorrência na indústria aeronáutica. No mês seguinte formou-se um comando de testes com estas aeronaves, entretanto ela juntou-se a unidade de caças à jato JV-44, compostas por Me-262 e comandada pelo General Galland. Devido a não estar totalmente pronto para entrar em ação, com poucos pilotos capazes de operá-lo assim como a crônica falta de combustível, o He-162 teve poucas oportunidades de entrar em efetiva operação. Somente em abr./1945 tem-se relatos de algum combate aéreo com este novo caça. A despeito de sua grande velocidade (840 Km/h) tinha apenas 30 minutos de autonomia e isso impedia que os pilotos cometessem qualquer erro de navegação devido ao risco de se verem com pouco combustível.

 

Dornier 335 - Caça de duplo motor à pistão com aparência bizarra, devido ao seu design nada convencional. Criado para ser uma aeronave multiuso: caça-bombardeiro, caça noturno e avião de reconhecimento. O inovador sistema de tração da aeronave era composto por dois propulsores em linha: o primeiro na ponta do nariz e o segundo na cauda, um puxando e o outro empurrando o aparelho. A engenharia inovadora trazia prós e contras e começou a ser testado em 1940, embora o Departamento Técnico da Luftwaffe tenha interrompido os trabalhos por dois anos. Em out./1943 o 1º protótipo estava pronto para voar e no ano seguinte o desenvolvimento e testes continuaram até começar a produção de várias versões aprovadas. Quando a guerra terminou apenas noventa Do-335 haviam saído das fábricas, todavia nenhum deles conheceu o batismo de fogo, já que a aceleração de seu desenvolvimento devido às grandes necessidades do 3º Reich no final da guerra, expôs suas limitações prematuramente a despeito do grandioso projeto.


Heinkel 277 - Bombardeiro pesado quadrimotor de longo alcance (6.000 Km). Testado pela primeira vez em dez./1943, contudo o desenvolvimento do enorme avião sofreu uma abrupta interrupção em jul./1944 devido a mudança exigida pelo alto comando da Luftwaffe de concentrar toda a produção em caças. Mesmo assim oito destas aeronaves foram concluídas, mas provavelmente todas foram destruídas em bombardeios aéreos durante o último ano da guerra. Os projetistas acreditavam que pela sua enorme autonomia de vôo, o aparelho poderia bombardear alvos localizados nos Estados Unidos.



Messerschmit 264 - Outro bombardeiro pesado de longo alcance desenvolvido dentro do programa conhecido como "Amerika Bomber". Três protótipos desta aeronave foram construídos em 1942 e no final do ano o teste de vôo foi realizado. A grande concorrência da indústria aeronáutica alemã fez com que o projeto fosse abandonado em jun./1944 em favor de outros modelos que foram julgados mais eficientes pelo Departamento Técnico da Luftwaffe. No mês seguinte os protótipos foram destruídos por bombardeio aéreo aliado. Devido a sua grande autonomia (15.000 Km) o Me-264, se colocado em operação, chegaria além dos Urais na Rússia, no sul do Irã, norte da África e no centro do continente norte-americano.



Junkers 390 - Bombardeiro pesado de longo alcance constituído por seis motores. Desenvolvido inicialmente como avião de reconhecimento marítimo com grande raio de ação. Dois protótipos desta aeronave foram construídos, contudo os testes foram tão medíocres que o projeto foi abandonado. Sua autonomia de vôo (12.000 Km) permitia que chegasse à costa leste dos Estados Unidos. Provavelmente os dois protótipos foram destruídos pelas tropas retirantes a fim de não cair em mãos do inimigo.



Junkers 287 - Bombardeiro à turbojato pesado de alta velocidade (800 Km/h). Projetado com asas enflechadas para frente seria capaz de fugir de qualquer caça inimigo. Em ago./1944 o primeiro protótipo voou causando admiração pelo sucesso alcançado. Não chegou a ser colocado em linha de produção devido a tomada da fábrica Junkers pelos soviéticos no final da guerra. O projeto continuou a ser desenvolvido na Rússia, entretanto não despertou interesse.

Messerschmitt 321 - Planador de transporte pesado. Podia abrigar em seu interior uma carga seis vezes maior que o principal avião de transporte da época, o Ju-52. Suportava até 23 toneladas equivalente a um vagão regular de ferrovia ou um tanque blindado médio. No transporte de tropas poderia levar até 130 homens equipados. O primeiro protótipo voou em fev./1941. Apesar dos problemas revelados na decolagem o projeto foi adiante e, em maio daquele ano o planador entrou em operação regular. Os problemas continuaram surgindo principalmente na adequação de um avião-rebocador assim como no deslocamento do aparelho após a aterrizagem. No começo de 1943 o planador foi desativado e, dos 150 produzidos, alguns foram convertidos em transportadores motorizados (Me-323).
Junkers 322 - Planador de transporte pesado. Carregava facilmente 140 passageiros além dos 3 tripulantes. Apenas dois foram construídos e mostraram-se ineficientes para a operação.

Heinkel 111Z - Avião-rebocador de planadores. Curiosa engenharia que ligava pelas asas dois bombardeiros He-111 com o acréscimo de mais um motor, totalizando uma envergadura de 32,5 metros. Foi utilizado basicamente para transportar o planador Me-321 Gigant.


Heinkel 280 - Caça à jato revolucionário. O primeiro protótipo em teste voou em abr./1941 alcançando uma velocidade superior a 800 Km/h. Outros protótipos foram construídos com pequenas alterações de projeto e todos se saíram bem, entretanto como as Wehrmacht estavam no auge do seu sucesso militar em todas as frentes, o alto comando achou desnecessário levar adiante a sua entrada em operação.
 Messerschmitt P. 1101 - Caça à jato de asas enflechadas que pretendia alcançar 1.000 Km/h. Projeto desenvolvido em meados de 1944. Apenas um protótipo foi construído e submetido a testes de vôo em jun./1945 depois que os norte-americanos tomaram a secreta fábrica em abril e deram prosseguimento à montagem nos Estados Unidos. O projeto foi adaptado para a criação do Bell X-5 que antecedeu ao primeiro caça-jato operacional da USAAF, o F-86 Sabre que rivalizou com o Mig-15 soviético na guerra da Coréia em 1951.
 

Messerschmitt 263 - Caça-foguete monoposto de curta distância. Derivação do Me-163 Komet. O projeto foi transferido para a fábrica Junkers, tendo trocado de denominação provisoriamente para JU-248. Seu teste de vôo foi realizado em ago./1944, todavia com o final da guerra se aproximando o protótipo foi capturado pelos soviéticos.

terça-feira, 25 de setembro de 2012

BRIESEN, Kurt von (*03/05/1896†20/11/1941)

Kurt von Briesen nasceu em mai./1896 na pequena cidade de Anklam, Pomerânia. Pouco depois de completar dezoito anos ingressou no Exército sendo comissionado oficial (2º Tenente) em jan./1906. Briesen participou da 1ª Grande Guerra como Capitão e foi agraciado por bravura em combate com as duas classes da Cruz de Ferro versão 1914. Após o cessar-fogo foi desligado do Exército, em mar./1920, como Major, conforme as restrições impostas pelo Tratado de Versalhes que reduziu drasticamente o efetivo das Forças Armadas da Alemanha. Von Briesen trabalhou para o Exército durante mais de dez anos, entretanto somente foi reativado em abr./1934, já no regime do nacional-socialismo. Em fev./1938, como Major-general, foi designado comandante da 30ª Divisão de Infantaria onde participou da invasão da Polônia que acendeu o estopim da 2ª Guerra Mundial. Neste cenário von Briesen foi gravemente ferido no braço direito, todavia não abandonou seu posto e teve papel decisivo no desfecho da batalha e, consequentemente, na rendição do Exército polonês. Hitler ao tomar conhecimento do fato ordenou imediatamente sua condecoração com a Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro, sendo um dos primeiros militares a receber a nova medalha.
Na ofensiva contra os países baixos e França, von Briesen, ainda à frente da mesma unidade, teve participação efetiva e coube a ele, após a queda do Exército francês, comandar a parada da vitória em Paris em 22/06/40. Do alto de seu cavalo ele saudou as tropas de sua divisão que desfilavam pelos Champs Elysées após passar sob o Arco do Triunfo, em imagens que rodaram o mundo e ainda são famosas até hoje em dia, pois a conquista marcou a História.
Em ago./1940 von Briesen foi promovido à General-de-infantaria e três meses depois foi indicado para comandar o 52º Corpo de Exército, unidade na qual lutou na Grécia e na invasão da Rússia. Em novembro do ano seguinte von Briesen foi atingido mortalmente em ataque aéreo quando se deslocava de carro em território soviético.
Promoções:
16/09/04 Cadete
22/04/05 Aspirante
27/01/06 2º Tenente
19/07/13 1º Tenente
27/01/15 Capitão
21/03/20 Major
01/04/34 Tenente-coronel
01/05/34 Coronel
01/08/37 Major-general
27/08/39 Tenente-general
01/08/40 General-de-infantaria

Pricipais condecorações:
??/09/14 Cruz de Ferro 1914 2ª Classe
??/12/14 Cruz de Ferro 1914 1ª Classe
20/09/39 Cruz de Ferro 1939 2ª Classe (broche)
04/10/39 Cruz de Ferro 1939 1ª Classe (broche)
27/10/39 Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro
Principais comandos:
15/10/35 - 04/02/38 Cmte. 69º Regimento de Infantaria
13/02/38 - 25/11/40 Cmte. 30ª Divisão de Infantaria
25/11/40 - 20/11/41¹ Cmte. 52º Corpo de Exército

Obs.: ¹ Morto em combate na Rússia.


quinta-feira, 20 de setembro de 2012

WOLFF, Ludwig (*03/04/1893†09/11/1968)



Um Exemplo de Dedicação ao Exército e à Pátria

Ludwig Wolff nasceu em abr./1893 em Chemnitz, na Saxônia. Aos dezenove anos ingressou no Exército Prussiano sendo comissionado oficial (2º Tenente) em nov./1913. Durante o curso da 1ª Grande Guerra (ago./1914-nov./1918) foi promovido à 1º Tenente e condecorado por bravura em combate com as duas classes da Cruz de Ferro. Com o cessar-fogo permaneceu alistado nas fileiras do Exército mesmo diante das restrições impostas pelo Tratado de Versalhes. Em fev./1939 alcançou a patente de Coronel e assumiu o comando da 192º Regimento de Infantaria e em pouco tempo estava engajado na ofensiva contra a Polônia que deflagrou a 2ª Guerra Mundial. Em meados do ano seguinte continuou à frente da mesma unidade no ataque aos países baixos e França onde, em 26/05/1940, foi gravemente ferido no rosto e afastado para recuperação em hospital militar. Wolff permaneceu mais de um ano em tratamento pois teve seu rosto parcialmente desfigurado pela explosão que o tirou de combate na França. Em função deste fato foi condecorado com a Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro e com a Insígnia de Ferimento em Ouro. Em jul./1941 retornou ao serviço embora fosse destacado para atuar como instrutor militar na Escola de Guerra de Breslau. Após sua promoção à Major-general, em set./1941, foi designado comandante da 22ª Divisão de Infantaria que estava lutando contra os soviéticos na Crimeia. Em reconhecimento pelo seu grande espírito de liderança foi agraciado com a Cruz Germânica em ouro e com a cobiçada Folhas de Carvalho para a sua Cruz de Cavaleiro.
Em ago./1942 deixou o comando daquela unidade e despediu-se do front leste da guerra. Wolff passou um ano como instrutor militar de ensino e educação do Exército, uma posição confortável para quem já havia lutado bravamente e se ferido ao ponto de deixá-lo com uma triste aparência para o resto da vida. Em dez./1943 foi indicado para o comando do 33º Corpo de Exército, posição que acumulou com a função de comandante militar da Noruega central. No mês seguinte foi promovido à General-de-infantaria e, em set./1944, novamente foi ferido, passando três meses em recuperação. Em jan./1945, com a crítica situação das Wehrmacht em todos os fronts, Wolff foi transferido para a Hungria onde passou a atuar como inspetor militar das tropas daquele país aliado que tentavam desesperadamente conter o grandioso avanço do Exército Vermelho no leste europeu. Terminada a guerra, o mutilado general caiu prisioneiro dos aliados onde passou dois anos em cativeiro norte-americano. Em nov./1968 Wolff faleceu de causas naturais aos 75 anos de idade.
Promoções:
12/11/13 2º Tenente
26/03/17 1º Tenente
01/05/24 Capitão
01/12/34 Major
01/08/36 Tenente-coronel
01/02/39 Coronel
01/09/41 Major-general
01/12/42 Tenente-general
01/01/44 General-de-infantaria



Principais condecorações:
??/11/14 Cruz de Ferro 1914 2ª Classe
28/06/17 Cruz de Ferro 1914 1ª Classe
13/05/40 Cruz de Ferro 1939 2ª Classe (broche)
18/05/40 Cruz de Ferro 1939 1ª Classe (broche)
26/05/40 Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro
??/??/40 Insígnia de Ferimento em Ouro
08/02/42 Cruz Germânica em ouro
08/05/42 Ordem Michael "O Bravo" 3ª Classe (Romênia)
22/06/42 Cruz de Cavaleiro com Folhas de Carvalho (100º)
Principais posições/comandos:
12/10/37 - 31/01/39 Cmte. 1º Batalhão do 10º Regimento de Infantaria
01/02/39 - 26/05/40¹ Cmte. 192º Regimento de Infantaria
10/10/41 - 01/08/42 Cmte. 22ª Divisão de Infantaria Luftlande²
01/12/42 - ??/11/43 Inspetor de treinamento e educação no OKH³
25/12/43 - 10/08/44 Cmte. 33º Corpo de Exército / Cmte. Militar da Noruega Central

Obs.: ¹ Ferido no rosto. ² Aero terrestre. ³ Alto Comando do Exército.